Translate

sábado, 18 de junho de 2011

NOVAS LIDERANÇAS NO CENÁRIO CONTEMPORÂNEO DA POLÍTICA CEARENSE.






Quando falamos em contemporâneo para um historiador este fato remonta ao período entendido a partir da Revolução Francesa em 1789. Para o estado do Ceará este período começa na primeira metade da década de 80 do século passado. Quando ascende ao poder Tasso Jereissati descendente de libaneses e filho de um dos maiores empresários e político do estado, chega com a missão de promover a ápice econômico que nosso estado conheceu. A partir desse acontecimento começa o período contemporâneo para o Ceará que é conhecido como período da “Geração Cambeba” em alusão à época de transferência dos órgãos administrativo do estado para a região do bairro Cambeba neste período pouco habitado. Outra figura a surgir também na mesma época de Tasso, mas não durando muito no cenário político foi Maria Luiza Fontenelle, primeira mulher a comandar um município no Brasil e a primeira mulher do Partido dos Trabalhadores (PT) a governar. Após mais de vinte e cinco anos após ambos governarem nosso estado e capital, percebemos que muita coisa mudou como o contingente populacional, agora como quinta maior capital brasileira. Este fator junto ao aumento do parque industrial promovido pelo incentivo fiscal fez muito para o crescimento do nosso estado. Na década de 90 do ultimo século vem outra família aos poucos ganhando forma, agora na figura de seus filhos e sobrinho que é a família Ferreira Gomes naturais de Sobral, tendo como Ciro Gomes o precursor desta nova geração. Assume a prefeitura de Fortaleza com a ajuda de Tasso e após um curto período de governo da capital assume o comando do estado, como governador. E seus irmãos aparecem como deputado estadual e secretário do município de Sobral na gestão de Cid como prefeito. Este período é compreendido como um período de transição, pois Tasso almejava o comando da cúpula do PSDB e Ciro um sonho ainda maior, a presidência da República. No cenário da capital surge também figuras muito conhecida da memória cearense como Juraci Magalhães e Cambraia que revezaram mandatos na prefeitura de Fortaleza na década de 90. Este momento para a capital vai ser de melhorias no âmbito arquitetônico com alargamento de avenidas, construção de centros de saúde e o surgimento de terminais para ônibus. Tudo isso para suportar o aumento populacional, da nossa cidade. A partir deste momento a oposição renasce e ganha força após o desastre com o governo de Maria Luiza. Surgem forças universitárias e políticas como Luizianne Lins, presidente da UNE e vereadora de Fortaleza, Inácio Arruda que de presidente das favelas de Fortaleza torna-se deputado estadual em 1994, José Guimarães, com o apoio de seu irmão José Genuíno que já figurava no cenário político nacional e do lado mais moderado ainda como vereador de Fortaleza Heitor Férrer médico e principal fiscalizador da utilidade de recursos da nossa capital Estes passam a pressionar a prefeitura e o estado por melhorias e novas lideranças políticas, pois até o final do século XX nosso estado estava como um feudo, onde o senhor feudal determinava quem entrava e saia. Com a virada do século vêm também mudanças com a volta do governo PT a prefeitura de Fortaleza e o fim da geração Cambeba no comando do estado com a chegada de Cid Gomes, teoricamente no primeiro mandato apoiado por Tasso, mas dicotômicos no meio do mandato de Cid. A primeira década do século XXI começa com novas lideranças e congelamento da oposição que agora é situação. Vejo isso como embotamento político assim como Jose Murilo de Carvalho em seu livro Os Bestializados cita que a população assistiu a elite promover mudanças para sua conveniência, a capital e assistiu a dominação de uma oposição que assemelhasse ao clube jacobino francês, chegando ao poder e promovendo uma vida pior do que a monarquia. Isto resultado das eleições presidenciais de 2002 quando Lula chega ao poder refletindo isso em um voto de confiança do povo, onde viam na figura de uma professora militante e atuante e do mesmo partido do presidente a solução para o problema de Fortaleza. E no sentido estadual a chance de mudar o estado de uma figura de direita para uma “socialista” do PSB de Cid Gomes. Isso alcançado graças também a ajuda das coligações estabelecidas por todos apresentados. Refletindo em uma oposição ridícula e penosa existente em nosso estado. O repórter político Alexandre Garcia em sua coluna no jornal Bom Dia Brasil comenta a solução para esta oposição inexistente, que seria o fim das coligações e a fidelidade partidária evitando que a oposição transforma-se em situação com a doação de uma vaga no governo, pois ele mesmo afirma que a reforma política não é para beneficiar mandatários, mas é para tornar os mandantes, mas próximos de seus representantes no caso os eleitores. Vemos isso no cenário cearense com a oferta de vaga por parte do governador Cid Gomes PSB (esquerda) ao deputado Gony Arruda então na época PSDB (direita), mostrando assim uma oposição sem força para formar opinião. Outro caso envolvendo o Governo estadual foi à tentativa de instauração de CPI pela parte do Deputado Heitor Férrer contra o Governador Cid Gomes, pois o mesmo recebeu de uma empresa particular que tem negócios com o estado uma viagem ao exterior com todas as despesas pagas. Ao solicitar tal investigação para surpresa do deputado somente ele era a favor de tal CPI. Será que a situação ainda será oposição? 

domingo, 12 de junho de 2011

HISTÓRIA DO BRASIL

O VÍDEO POSTADO MOSTRA UM DOS MAIORES HISTORIADORES BRASILEIROS BORIS FAUSTO. ESTE VÍDEO FAZ PARTE DO APOIO DO SEU LIVRO SOBRE HISTÓRIA DO BRASIL. ESSA PARTE APRESENTADA É SOBRE O BRASIL COLÔNIA. ESPERO QUE GOSTEM.